02 fevereiro 2007

Espécie de lembrança nostálgica



Tenho saudades do Edward Norton. Não do último Edward Norton, invulgar ilusionista no filme de Neil Burger. Tenho saudades do outro Edward Norton, amigo da Drew Barrymore, que usava a sua versatilidade como bem queria. Daquele que nunca suplicou pela admiração do público e que, ao mesmo tempo, nunca se transformou num actor orgulhosamente distante.
Sinto falta daquele intérprete que tanto podia ser o assassino maquiavélico de A Raiz do Medo, o apaixonado inveterado de Everyone Says I Love You ou mesmo o falso deficiente de The Score. Queria que ele voltasse. Onde anda o homem que deixou meio mundo boquiaberto com os seus trabalhos em Fight Club, América Proibida e 25th Hour? Personagens tão nuas, reflexos da complexidade das contradições humanas.
Anuncia-se que voltará na companhia de Naomi Watts numa adaptação de um livro de Somerset Maugham. A ver vamos…

4 comentários:

Manuel disse...

Também gosto de escrever quando estamos de acordo,o Edward Norton é dos meus actores preferidos. Na Raiz do Medo foi absolutamente genial!

Anónimo disse...

o tipo anda com boas companhias, certamente.

Roberto Queiroz disse...

Realmente, Edward Norton anda meio em baixa. Também não curti muito O Ilusionista, não. Gostei muito de Clube da Luta e da atuação dele em A Outra História Americana (em que ele faz o papel de um neo-nazista cuja vida e seus valores mudam depois do período que passa preso). Espero que nesse próximo projeto ele dê o ar da graça como antigamente.

(http://claque-te.blogspot.com): Perfume - A História de um Assassino, de Tom Tykwer.

Mafalda Azevedo disse...

Mas que bom! Um comentário vindo do Brasil! Seja muito bem-vindo aqui ao Mise en Abyme.
Cumprimentos cinéfilos