20 janeiro 2006

Convite à ilusão

“Por isso, The Purple Rose of Cairo talvez seja a mais bela homenagem que o cinema faz ao poder de sedução das salas de cinema. “

Manuel Cintra Ferreira, Folhas da Cinemateca

Pensar em A Rosa Púrpura do Cairo é compreender que a ilusão nunca antes foi assim filmada. Nem mesmo por François Truffaut quando assinou La Nuit Américaine (1973) e nem pelo próprio Woody Allen quando escreveu o argumento de Play it Again, Sam (1972).

Mas comecemos pelo princípio. Se antes pensávamos que a eterna recordação de Mia Farrow seria relembrá-la nas mãos de John Cassavetes em Rosemary's Baby (1968), agora percebemos que nos enganámos por completo. Esta Cecilia, sem possessões demoníacas, ocupará para sempre a nossa memória.

Aquilo que parece ser um elogio à ingenuidade e à inocência, como aliás foi feito recentemente por Mike Leigh em Vera Drake, transforma-se num convite à ilusão. Não nos deixemos enganar! Esta Cecilia é tão pouco ingénua como qualquer um de nós. Ainda que a vejamos a beijar vários homens e a mentir ao marido, desculpamo-la devido à sua vida miserável. Ou não. Na verdade, perdoamo-la porque Woody Allen nos consegue iludir. Esta Cecilia não é uma mulher ingénua. É um ser humano que desespera por uma vida mais gratificante e que anseia por agarrar a felicidade.
(Se há alguém profundamente ingénuo neste filme, esse alguém é Tom Baxter, explorador e poeta. E mesmo ele é resultado da ilusão pois não é um ser humano.)
De desconstrução em desconstrução, personagens que abandonam o ecrã, actores que fingem ser personagens e personagens que fingem ser humanos, acompanhamos A Rosa Púrpura do Cairo, iludidos pela sensação de que vemos um filme cómico. (Talvez o mais triste dos filmes cómicos se pensarmos que estamos em plena crise económica, rodeados de personagens pobres e descontentes.)
E no fim Top Hat, Fred Astaire e Ginger Rogers. Já tínhamos pensado neles quando uma das personagens começa a sapatear desenfreadamente. Vê-los não é uma surpresa mas funciona como um consolo, como uma forma de esperança. Para Cecilia e para nós.
(Depois de o filme acabar, acompanha-nos a certeza de que o cliché está correcto: nada é aquilo que parece.)

2 comentários:

Ricardo Martins disse...

É a segunda melhor homenagem ao cinema (o 1º lugar cabe a Singin' In the Rain), e é um filme que comove qualquer um.

Hugo Alves disse...

Começando por clichés, re-lembro o da tagline de "blow up": por vezes a realidade è a mais estranha das fantasias...

Permito-me discordar quanto à maior homenagem. Acho, cada vez mais, que "la nuit américaine" de Truffaut é a maior das homenagens ao cinema. Mas, provavelmente, sou eu que estou rendido por completo ao mise-en-abyme que é usado com mestria ímpar por Truffaut nesse filme...